Família de Ignácio Preto Bueno

Minha ancestral Maria Dias Camacho foi deixada na porta da casa de Ignácio Preto Bueno quando nasceu. Ela era filha de Francisco Dias Camacho e possivelmente de uma índia. Assim o cremos porque, em 1765, ela viria a se casar com Domingos Soares Fragoso, que era mameluco, e também ilegítimo. A escolha de Francisco, ou de quem quer que tenha sido, sobre a casa onde largariam a filha, parece ter sido definida pelos padrões sociais da época: a família de Ignácio Preto era uma das mais abastadas de Curitiba e, assim, poderia cuidar melhor da criança abandonada.
.
Ignácio Preto Bueno era filho de Inocêncio Preto Moreira e Joanna de Franca, naturais de São Paulo (Genealogia Paranaense, Vol. I .160). Faleceu em 1760, conforme Silva Leme (Vol. I p. 438).
.
Ele era casado com Luzia Cardoso de Leão, falecida em Curitiba no ano de 1792, filha de João Cardoso de Leão e Luiza ou Thereza Corrêa Guedes Brito, neta paterna de Domingos Cardoso de Leão e Ignez de Faria (Genealogia Paranaense, Vol. I p. 305). O casal teve os seguintes filhos:
.
1. Joanna França Moreira, casada com Pedro Antonio Moreira, de Lisboa, filho de Antônio Martins e Theresa Maria (Genealogia Paulistana, Vol. I p. 438).
.
2. Isabel Bueno, casada com o Alferes João Simões da Costa, filho de Manoel Simões Correa e Caetana da Costa, da Ilha Terceira (id).
.
3. Manoel Preto Bueno, casado com Luzia de Chaves de Almeida, filha de João de Chaves Siqueira, de Itu e Bárbara Rodrigues da Cunha (Genealogia Paranaense, Vol. I p. 160 e Vol. III p. 588)
.
4. Antonio de Oliveira Preto, casada com Isabel Rodrigues França ou Coutinho (id, Vol. III p. 590), filha de Domingos Gonçalves Padilha e Anna de Mello Coutinho, neta paterna de Manoel Gonçalves de Siqueira e Paula Rodrigues França, ambos de Paranaguá, e neta materna de Francisco de Mello Coutinho, de São Paulo, e Izabel Luiz Tigre , de Curitiba (id, Vol. I p. 161 e Vol. III p. 575)
.
5. Ignacio José Preto, casado com Maria Rodrigues Pinto, filha do Capitão Estêvão Ribeiro Bayão e de Feliciana Fernandes dos Reis, neta paterna do Capitão Antônio Ribeiro da Silva e Maria de Siqueira de Almeida, e neta materna de João Martins Leme e Catharina Rodrigues Pinto. (id, Vol. I p. 294)
.
6. Maria de França ou Franco, casada com João Coelho Borges, natural da Ilha do Pico, filho de Francisco Coelho e Catharina Pereira (Genealogia Paulistana, Vol. I p. 439)
.
7. João Preto de Oliveira, casada com Francisca Leme de Jesus
.
8. Anna de Oliveira Preto, casada com Manoel Rodrigues Coura, filho de Francisco Rodrigues Coura e Lucrécia Leme (id, Vol. I p. 440)
.
9. Escolástica de Oliveira Preto, casada primeiro com Gabriel Fernandes de Moraes, filho do capitão Gabriel Fernandes de Mendonça e Theresa Leite de Moraes (id). e depois com José Rodrigues de França, filho de Francisco Rodrigues Barbosa ou Coura e Victoria Rodrigues de França, neto paterno de outro Francisco Rodrigues Coura e Lucrécia Leme de Brito, de Guaratinguetá (Genealogia Paranaense, Vol. III p. 585) e neto materno de Domingos Gonçalves Padilha, falecido em Tamanduá, e Anna de Mello Coutinho (id, p. 575).
.
Além desses nove filhos tidos com sua esposa, todos mencionados nas Genealogias Paulistana e Paranaense, a primeira ainda lhe dá dois filhos naturais, dos quatro que teve, e que eram os únicos ainda vivos em 1760, quando Ignácio faleceu:
.
10. Catharina, moradora em São Paulo.
.
11. Silvestre Bueno, casado e morador em Curitiba.
.
Não sei dizer ainda se o inventário de Ignácio Preto Bueno faz alguma refência a Maria Dias Camacho. Quando Maria se casou, em 1765, Ignácio já era falecido há cinco anos. Ela e seu esposo Domingos Soares Fragoso tiveram uma filha chama Anna Soares, que se casou com João Rodrigues França, também filho de Francisco Rodrigues Coura e Victoria Rodrigues de França, assim como José Rodrigues França, esposo de Escolástica Preto, número 9 acima. Antônio de Oliveira Preto, número 4, casou-se com Izabel Rodrigues Coutinho, que era irmã de João e José Rodrigues França. Já Anna de Oliveira Preto (nº 8), casou-se com um tio desses três irmãos, Manoel Rodrigues Coura. Disso tudo, concluo que Maria Dias Camacho ainda mantinha alguma espécie de relação com o círculo social da Família Preto Bueno, mesmo depois de já ter sido casada. Havia, naturalmente, um “desnível” em relação aos demais nomes, uma vez que Maria apenas foi criada por eles, não sendo filha. Anna Soares, a filha de Maria, descendia de um casal de filhos ilegítimos, possivelmente ambos mamelucos. Apesar disso, conseguiu matrimônio com João Rodrigues França, uma pessoa “da sociedade” na época, e de uma família que mantinha relações com a família que a criou. Essa é a única menção de membros da família Soares Fragoso em toda a Genealogia Paranaense, que, naturalmente, privilegia as classes mais abastadas e os laços familiares mais tradicionais.
.
Ainda não se sabe a que tipo de tratamento Maria Dias Camacho estava submetida na casa de Ignácio Preto e sua esposa. O fato é que ela conseguiu sobreviver a um abandono por parte dos pais, arrumou casamento – com pessoa do seu nível social, é verdade – e alcançou provecta idade, tendo grande descendência. Todos os Fragoso de Campo Alegre, Piên, São Bento do Sul, Canoinhas, Concórdia, Lapa, Curitiba e outras cidades onde o nome é comum, são descendentes dessa mulher.
About these ads
Published in: on 20/04/2008 at 4:13 PM  Comments (8)  
Tags: , , ,

The URI to TrackBack this entry is: http://coisavelha.wordpress.com/2008/04/20/familia-de-ignacio-preto-bueno/trackback/

Feed RSS para comentários sobre este post.

8 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Meu pai se chamava Sebastião de oliveira Preto, natu-
    ral de Piracaia-SP. gostaria de saber se existe algum
    parentesco com essas pessoas relacinadas acima.

  2. sou neto de sebastiao de oliveira preto pai de angelina oliveira preto,filha de elza leme da costa

  3. desculpe retifico a esposa era olympia pereira preto

  4. Estou concluindo a Historia da Villa Fermoza de N.S. do Desterro de Jundiahy, na qual o tronco familiar Preto e Oliveira Preto é constante. Preciso do Brazão familiar para ilustrar o trabalho. Agaradeço qualquer ajuda que me possibilite encontrá-lo pois tenho a descrição heráldica do mesmo.

  5. Prezada Escritor,
    Pesquisando na internet achei no livro Genealogia Paranaense volume 3 pagina 503, referencia a minha família, porém só um pequeno trecho do livro pode ser visualizado. Procuro informações sobre Stael Cardoso Repsold, casada com Kurt Repsold.
    Gostaria de pedir por esse e-mail se a livraria poderia me fazer o imenso favor de verificar se possuem o livro, e se possuírem, por favor verificar se nele consta a data do casamento, pois estou juntando informações para fazer a árvore genealógica da família.
    O livro é: Genealogia Paranaense Vol. 3
    Página: 503
    Casamento de: Kurt Repsold e Stael Cardoso Repsold
    Agradeço desde já qualquer ajuda.
    Obrigado


    Greg. Repsold II

  6. Parabéns pelo trabalho, que é de instimável valor. Sou professor aposentado e moro em Curitiba. Dedico-me ao estudo da historia familiar e estou “parado” em Antonina, litoral do Paraná, tentando descobrir registros do meu quinto avô JOAQUIM ANTONIO DE ALMEIDA, casado com Victoriana Maria de Lima (este nome tem variações em alguns registros de descendentes, como Vitorina de Jesus, por exemplo).
    O filho dele, tinha o mesmo nome e casou em Antonina em 1851, com Maria Candida de Melo Pires. Esta minha tataravó era filha de Candida Maria de Mello Pires (batizada em 1808 em Desterro), filha de Francisco José Pires e Maria Rosa de Jesus eram de Ilha Terceira, Açores).
    No registro do casamento de Joaquim (filho) está escrito que o pai era natural de onde hoje é Monte Mor ao lado de Campinas, São Paulo, e que a familia era do lugar “ Figueira de Braço” – entre Antonina e Morretes, me parece. Não estou certo, mas acho que Victoriana era desta região.
    Peço por favor informar se tem algum estudo relacionado com estas familias.
    Agradecido.
    Clovis Pena
    Centro Cívico – Curitiba.

  7. Mais um ponto em que não consegui avançar na pesquisa dos meus ancetrais. Busco algum registro de JOÃO ANTONIO MOREIRA, meu tataravô que viveu em CAMPO LARGO, Paraná cujo filho do mesmo nome nasceu naquele lugar onde foi batizado em junho de 1869.
    João Antonio Moreira (pai) foi casado com MARIA MARQUES DA ANNUNCIAÇÃO e tiveram outros filhos antes de João Antonio, a partir de 1854.
    Grato
    Clovis Pena – clovispena@terra.com.br

  8. Comunico aos caros leitores novo e-mail de CLOVIS PENA :
    clovispena@hotmail.com


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: